O Extreme Programming é um framework de desenvolvimento de software, criada por Kent Beck, nos Estados Unidos no final da década de 1990. É uma das frameworks ágeis mais conhecidas e utilizadas no mundo.

As ideias originais do que viria a ser o XP foram definidas por Kent Beck em 1996 através do livro “Smalltalk: best pratice pattners” no qual apresentava pontos positivos e negativos de projetos de software. No mesmo ano Beck foi chamado para conduzir, juntamente com Martin Fowler e Ron Jeffries, um projeto de alto risco na Crysler, o projeto C3. Beck selecionou um conjunto de práticas que haviam se mostrado eficientes em outros projetos e aplicou-as de forma intensiva. A equipe gerenciada por Beck não só conseguiu entregar o software antes do tempo estimado como também criou o  XP (BASSI FILHO, 2008).

Em alinhamento com as idéias do Manifesto Ágil o framework XP se baseia em cinco valores (BASSI FILHO, 2008) que  são:

  • Comunicação – para que um projeto atinja seu objetivo com sucesso a comunicação deve ser intensa entre membros da equipe e os stakeholders;
  • Feedback – as respostas as decisões tomadas e ou mudanças no projeto devem ser rápidas, eficientes e vizíveis;
  • Coragem – é necessário muita coragem para aceitar erros, mudar pontos de vista, se desfazer de antigas idéias;
  • Simplicidade – o sóftware, resultante do projeto, deve ser tão simples quanto possível. Além disso deve-se levar em conta que muitas vezes o que o cliente quer é bem mais simples do que o desenvolvedor imagina;
  • Respeito – todos tem seu valor dentro da equipe e as individualidades não só devem ser respeitadas como também ser valorizadas.


Agile desmistificado com Scrum, XP, Kanban, Spotify e Trello

Referências:

BASSI FILHO, Dairton Luiz. Experiências com Desenvolvimento Ágil. São Paulo: USP – Istituto de Matemática e Estatística da Universidade de São Paulo, 2008.